Fundos imobiliários
Finanças

Fundos Imobiliários: O que é e como funcionam? Descubra

Você sabia que é possível viver de renda aplicada em fundos imobiliários, em vez de imóveis físicos? Pois é, muitos brasileiros perceberam isso, e desde então o número de novas carteiras tem crescido sem parar. Os fundos imobiliários se tornaram um dos investimentos do momento, sem contar que ele é visto como uma maneira mais barata e simples de aplicar no setor. Então continue lendo este post para saber mais sobre fundos imobiliários.

Veja também:
Aporte de capital: O que é e como funciona?
O que é um investimento de renda fixa e variável? Confira!
Rating de crédito: Tire todas as suas dúvidas sobre o assunto

O que é um fundo imobiliário?

Fundos de investimento imobiliários são fundos compostos por investimento do setor imobiliário. E são classificados em dois tipos: o fundo de tijolos e o fundo de papel. Fundos de tijolo são aqueles  fundos que possuem imóveis físicos, como edifícios empresariais, shoppings centers e hotéis. Já o fundo de papel é o patrimônio composto por aplicações financeiras do setor imobiliário, como o LCA, LCI, CRA e CRI. Então, do mesmo modo que os fundos de investimentos, os FIIs (Fundo de investimento imobiliários) têm o patrimônio dividido em cotas de valores iguais. Sendo assim, quando uma pessoa investe no setor imobiliário por meio desses papéis, você adquire pequenas partes de imóveis.

Como ele funciona?

Os fundos imobiliários têm um gestor especializado que, todos os dias faz o acompanhamento do patrimônio do mercado. E com os resultados obtidos, são feitas as alocações necessárias, e o objetivo é ter maior rentabilidade. Para isso, boa parte dos fundos compram imóveis comerciais que tenham um bom potencial para adquirir renda por meio da locação. Mais um modo de obter lucro é com a valorização do bem em si, e é exatamente por isso que o patrimônio ter imóveis já sobre valorizados é raro.

O funcionamento dos fundos imobiliários de papel é de uma forma um pouco mais estável, porque parte é composta por aplicações de renda fixa, sendo assim os lucros procedem dos rendimentos desses ativos e da valorização das cotas. Para um ponto de vista de investidor, basicamente o processo é bem parecido com o de comprar ações, isso porque os fundos ficam listados na bolsa de valores como “um papel”.

Quais os tipos de fundos imobiliários?

É seguro investir em fundos imobiliários?

Os fundos imobiliários são um investimento de forma regulada e são acompanhados tanto pela comissão de valores mobiliários quanto pela própria B3, quando há negociação no pregão. 

Um exemplo do que pode reduzir a ocupação dos imóveis do fundo é uma crise econômica. Com isso, outros rendimentos periódicos como o aluguel também pode cair, pelo menos por um tempo. Essa mesma situação pode causar também uma redução do valor de avaliação dos imóveis em geral, com impacto sobre as cotas de fundo. Da mesma forma que uma compra de imóvel de tijolo, o investimento em um fundo imobiliário precisa levar em conta quais são os ativos incluídos na carteira. Exemplo: qual região fica localizado os imóveis de fundo? Este local tem potencial econômico a médio e longo prazo?

É bom lembrar que tudo o que puder causar impacto nos imóveis também causaram impacto no fundo imobiliário. Ainda há riscos relacionados à regulamentação do setor imobiliário do Brasil, o qual envolve autoridades federais, estaduais e municipais. Esse conjunto de regras pode acabar afetando tanto a aquisição quanto a venda, locação, reforma ou aplicação dos imóveis.

Quais as vantagens e desvantagens?   

Com o fundo imobiliária você pode ter diversificação investindo em vários imóveis e não se atrelando a apenas um único, também dispensa toda a manutenção e o custeio que gira em torno de um imóvel no seu nome, vendo que todos os gastos incluídos passam a ser seus. Já no fundo imobiliário a administradora fica responsável por tais manutenções fazendo com que o custeio pelo imóvel seja bem mais lucrativo. Mas uma vantagem bem acentuada é o fato da liquidez ser extremamente simples e rápida, basta ir à corretora e efetuar a venda, coisa que se fosse com um imóvel seu poderia demorar bastante ou até nem ser vendido. Outra vantagem é a isenção de imposto de renda no caso dos imóveis alugados, nos vendidos é cobrado uma pequena tarifa.

Comprar imóveis ou investir em FIIs?

Para quem deseja entrar no mercado, mas não tem capital suficiente para comprar um imóvel, os FIIs podem ser uma boa opção. O mesmo serve para quem não deseja gastar um valor tão alto em apenas um único imóvel e busca por diversificação na renda, comprar imóveis para investir é algo cultural no Brasil. A resposta, na maioria dos casos, é que, normalmente, é mais simples, lucrativo e prático investir em fundos imobiliários do que em imóveis reais.