Renda fixa e variável
Finanças

O que é um investimento de renda fixa e variável? Confira!

Na hora de escolher qual opção mais se adequa as necessidades do investidor naquele momento, acaba por se tornar uma tarefa um pouco complicada, principalmente escolher entre as opções de renda fixa e variável. Isso ocorre, pois, cada uma delas possui características próprias e rendimentos diferenciados, seja para mais ou para menos, causando uma certa confusão nos investidores iniciantes.

Para grande parte das pessoas comuns, os títulos de crédito negociados na bolsa de valores pode trazer ganhos de capital elevados, entretanto, contam com alguns estigmas por parte da população que não possui conhecimento suficiente a respeito do tema. Esses ativos de renda fixa proporcionam mais segurança ao investidor, visto que possuem garantias tanto do Governo Federal quanto do Fundo Garantidor de Investimentos.

Dessa forma, se você é um investidor iniciante e está em busca de títulos de crédito estáveis, seguros e que ofereçam bons dividendos, os títulos de renda fixa e variável são uma excelente escolha, mas antes, é necessário entender o funcionamento de cada um deles, para que não incorra em erros que possam prejudicar o seu patrimônio.

Uma dica importante para aqueles que estão em busca do sucesso financeiro a partir dos investimentos é variar os aportes e diversificá-los em renda fixa e variável, sem a necessidade de concentrá-los em apenas uma das opções. Para isso, obter conhecimento a respeito de cada uma das opções é essencial para que essa finalidade seja alcançada, aprendendo sobre as características de cada um deles.

Pensando nisso, separamos algumas dicas e informações a respeito desses títulos de renda fixa e variável, portanto, se deseja aprender um pouco mais a respeito do tema e adquirir conhecimento para investir de forma segura e descomplicada, continue a leitura deste artigo e fique por dentro de todas as informações relacionadas ao tema.

Veja também:
Rating de crédito: Tire todas as suas dúvidas sobre o assunto
IOF: O que é, para que serve e quando é cobrado
Qual é a diferença entre valor líquido e valor bruto? Descubra

O que é um investimento de renda fixa?

Os investimentos de renda fixa são aqueles que possuem uma taxa de rendimentos previamente definida, ou seja, no momento em que se adquire um título de renda fixa, o cliente já sabe exatamente os valores que irá receber ao final do prazo fixado. Com isso, a pessoa tem uma visão geral a respeito dos ganhos que irá obter, assim como o prazo final em que poderá fazer esse resgate e os índices de taxa de rendimento e do valor investido.

Nesse caso, nos títulos de renda fixa não há possibilidade de perder dinheiro, apenas ganhar. Para que isso venha a ocorrer, é necessário o cumprimento de todos os critérios pré-estabelecidos no momento em que a pessoa adquire o título, como aguardar o tempo definido no contrato, seja ele 1, 3 ou até mesmo 10 anos, respeitar a carência, os vencimentos e a taxa de rentabilidade do título, ou seja, quanto ele irá proporcionar de valores para o cliente.

Nesses títulos de renda fixa, existem subcategorias, conhecidas por renda pré-fixada, pós-fixada e híbrida. A seguir, iremos falar um pouco mais a respeito de cada uma dessas opções:

Renda pré-fixada

Essa modalidade de investimento possui a característica de possuir uma porcentagem fixa determinada, ao longo de todo o período de carência. Nesse caso, o investidor tem acesso a exatamente todos os valores que irá receber a partir da compra desse título de crédito, visto que sua definição se dá no momento em que é adquirido o título, onde as condições também não serão alteradas ao longo do tempo, devendo respeitar o que foi acordado.

Dessa forma, se você contratou um ativo que ofereça uma renda de 100% da CDB com prazo de resgate de 5 anos, esse valor permanecerá dessa forma durante todos os 5 anos, até o limite final do seu resgate. Alguns exemplos de títulos de crédito que oferecem renda pré-fixada são: Tesouro Direto, Letras de crédito e CDBs pré-fixados.

Renda Fixa Pós-Fixada

Ao optar pela renda Pós-Fixada, o cliente tem sua rentabilidade calculada a partir de determinado indicador ou algum índice usado pelo mercado, como a Taxa Selic, o IPCA ou CDI. Esses índices podem sofrer algum tipo de mudança com o passar do tempo, fazendo com que o investimento possa render mais ou menos renda do que o previsto. Vale lembrar que esse rendimento nunca será negativo, podendo variar apenas o valor recebido.

Podemos citar como exemplo, a aquisição de um título de crédito que ofereça 150% da taxa CDI. No momento em que o cliente realizar a contratação desse título, ele irá obter rendimentos diários, tendo como base o valor da taxa CDI daquele dia em questão. Cada vez que essa taxa subir, o valor da aplicação irá subir junto, já caso essa taxa venha a baixar, os rendimentos obtidos com a aplicação também irão cair um pouco.

Embora essa modalidade possa ser confundida com a renda variável, é necessário levar em conta que, na renda variável, existe a clara e possível possibilidade de perder o dinheiro que foi investido, em parte ou totalmente. Enquanto isso, na renda Pós-Fixada, não há possibilidade de perder o seu patrimônio, o que pode ocorrer é a diminuição dos rendimentos.

Renda Fixa Híbrida

A Renda Fixa Híbrida é uma junção das duas modalidades citadas anteriormente, ou seja, é uma diversificação de investimentos, onde o cliente compra ativos de renda fixa pré-fixada, com ativos de renda fixa pós-fixada, de maneira a incluir os dois em sua carteira de investimentos. Um exemplo que podemos citar em relação a ativos que possuem renda fixa híbrida é o Tesouro IPCA+.

O Tesouro IPCA+ conta com uma taxa de juros pré-fixada, em conjunto com uma taxa que pode sofrer variações ao longo do tempo, que varia de acordo com a inflação que o país esta enfrentando.

O que é um investimento de renda variável?

Essa modalidade de investimento é um pouco mais complexa do que a renda fixa, dado que não há um valor relativo aos rendimentos pré-fixado na hora da sua aquisição, podendo variar positiva ou negativamente. Dessa forma, apresentam um risco maior se compararmos com a renda fixa, que praticamente não oferece nenhum risco, entretanto, a rentabilidade obtida nesses investimentos podem ser muito maiores se comparados a renda fixa.

São alguns exemplos de renda variável as ações de empresas, moedas estrangeiras, fundos multimercados, fundos imobiliários, fundos de ações, entre outros. Todas essas opções apresentam um risco elevado, visto que os seus rendimentos são diretamente afetados pelas variações que o mercado financeiro sofre, inclusive de aspectos relacionados a política nacional e internacional.

Um dos principais pontos negativos desse investimento é o fato de ser possível perder todo o patrimônio investido, entretanto, oferece a possibilidade de rendimentos extraordinários, onde algumas pessoas conseguem viver exclusivamente desses dividendos obtidos nos investimentos de renda fixa.

Um exemplo que pode ocorrer é a compra de determinado ativo por R$2000 e ao final do fechamento da cotação, esse investimento valor R$4000, ocorrendo uma duplicação do valor. Já outro exemplo possível é a compra desse mesmo ativo por R$2000 e ao fechar a cotação, ele estar valendo R$20, ocorrendo uma perda significativa do seu valor e causando um sério prejuízo financeiro ao comprador.

Portanto, antes de escolher entre Renda fixa e variável, é necessário conhecer os riscos e benefícios de cada uma delas, onde os títulos de renda fixa apresentam mais segurança, entretanto, os rendimentos obtidos através dele são inferiores. Já os títulos de renda variável oferecem mais riscos, porém, os rendimentos são significativamente maiores que os de renda fixa., sendo possível acumular um patrimônio muito maior em relação à renda fixa.