O que é financiamento
Finanças

O que significa um financiamento? Quais as vantagens de fazer um?

A palavra financiamento é constantemente usada no meio financeiro, porém não são todos os consumidores que conhecem o real significado dessa palavra, até mesmo aquelas pessoas que já são acostumadas a obter crédito não estão fora da estatística das pessoas que não conhecem o que essa expressão realmente quer dizer. Pensando nisso, preparamos um conteúdo completo no artigo a seguir, confira!

Veja também:
Dicas e passo a passo para começar a investir seu dinheiro
Finanças para empreendedores: Melhores dicas de sucesso
O que é Imposto de Renda Retido na Fonte?

O que significa um financiamento?

Quando você precisa de dinheiro para comprar bens e faz a solicitação desse crédito a um banco e outras instituições financeiras, a liberação do crédito necessário é chamada de financiamento. O financiamento acontece quando um banco ou outro tipo de instituição financeira libera uma determinada quantia para uso a alguém e alguém se compromete a reembolsar esse valor em prestações regulares (geralmente mensais), que correspondem ao montante total do empréstimo, acrescido de algumas taxas e juros.

Em ouras palavras, a instituição financeira libera o empréstimo cobrando juros sobre o mesmo, portanto, é importante que, ao solicitar um empréstimo, você saiba quanto vai pagar no valor final e não apenas qual é o valor de cada parcela, pois em alguns casos a despesa com juros é tão alta que a contratação de um financiamento acabará por causar prejuízo, pois esse valor pode aumentar muito além do imaginado.

O que é um financiamento bancário?

Trata-se de uma dívida financeira com o banco, com prazo de liquidação pré-determinado. Ao contrair a dívida, o credor passa a assumir o valor emprestado e o valor dos juros calculados com base no valor do empréstimo. Recomenda-se expandir negócios lucrativos, financiamento de equipamentos, instalações, etc. através de financiamento bancário. Para empresas jovens ou sem fins lucrativos, é recomendável não fazer isso, porque aos olhos dos bancos, empréstimos não lucrativos são difíceis de financiar.

Quais são as formas de financiamento?

Outro detalhe importante é que existem diferentes tipos de financiamento, por exemplo, para o financiamento de automóveis, o tipo de CDC ou leasing é mais comum e as características de ambos estão são diferentes. No que diz respeito ao CDC, o veículo é alienado ao banco, ou seja, até que você quite o pagamento do financiamento, o veículo é efetivamente do banco e você só paga para usar ele.

No caso do leasing, o veículo é seu direito desde o início, razão pela qual essa taxa de juros acaba sendo maior que a do CDC, pois o banco é dono do veículo e pode tomá-lo para ele no caso de você não pagar pelo custo do financiamento. Além do CDC e do leasing, existe também o consórcio, que é uma das três modalidades com as menores taxas de juros, pois na verdade só se adquire um veículo após a obtenção da carta de crédito para fazer a compra do veículo, após ser sorteado em um dos sorteios mensais entre os participantes do consórcio.

Outra modalidade de financiamento muito comum é o financiamento imobiliário, que também possui características e regras específicas para o setor imobiliário, podendo, por exemplo, o proponente utilizar o saldo do fundo de garantia para compensar parte da dívida do financiamento, o que não ocorre na modalidade de financiamento de automóveis. Além disso, o fato de o prazo de parcelamento do financiamento imobiliário ser muito mais longo do que o parcelamento do veículo (geralmente até 60 meses), a taxa de juros do financiamento imobiliário costuma ser relativamente menor do que a do financiamento de veículos.

Quais as vantagens de fazer um financiamento?

O principal benefício de financiar um bem é que não será necessário esperar para usá-lo. Ao contrário de um consórcio, uma vez aprovada a compra, os consumidores já podem usar um carro ou qualquer outra propriedade financiada. Outra vantagem é que em alguns casas, os bancos podem oferecer financiamentos de até 100% do valor, ou seja, não é necessário que você tenha dinheiro para comprar. No entanto, uma taxa de juros mais baixa pode ser negociada quando é efetuada uma entrada, por isso é  importante fazer um planejamento.

Para quem tem renda mensal insuficiente, também é possível usar a renda familiar total. Todos devem prometer pagar, mas isso facilita o ato de aprovar o financiamento. Principalmente nos casas dos financiamentos imobiliários, que existe a oportunidade de utilizar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) como entrada do financiamento do imóvel. Além disso, financiar uma casa ou apartamento significa livrar-se do aluguel e investir nas suas próprias coisas.

Quais são os dois tipos de financiamento mais usados?

No Brasil os dois tipos de financiamentos mais usados são os Imobiliários e os de veículos. E cada um deles possui as suas próprias características. O financiamento imobiliário é uma opção de crédito para a compra de imóveis novos e usados. No entanto, em outros casos, também pode ser usado para comprar lotes ou conclusão de construção, ou para realizar reformas. O financiamento imobiliário é uma forma de financiamento que oferece pagamento de longo prazo, muito popular no Brasil.

Já O financiamento de automóveis opera de duas maneiras diferentes: CDC e leasing. O CDC é um método de financiamento tradicional que exige que as instituições credoras comprem ativos em seu nome. O leasing é a modalidade em que os bens do financiamento ficam em nome do credor até o pagamento integral da parcela. Portanto, acaba tendo uma taxa de juros menor, o que torna a operação mais segura para o banco ou instituição.

Quais são os dois tipos de financiamento disponíveis?

No financiamento imobiliário existe praticamente apenas dois tipos, o Sistema Financeiro de Habitação (SFH): aplicável apenas aos compradores do primeiro imóvel, que deve ser residencial. O prazo do financiamento é de até 35 anos e a taxa de juros anual de até 12%. Estipula o valor máximo do imóvel a ser financiado e permite a utilização do FGTS para amortização das parcelas ou como entrada.

O outro tipo é o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI): qualquer pessoa pode usá-lo para comprar imóveis residenciais ou comerciais sem restrições de valor. O prazo de financiamento para habitação é de até 35 anos e o prazo de financiamento para imóveis comerciais é de até 10 anos. As taxas de juros variam de banco para banco e podem ser superiores a 12%, não podendo ser utilizado o FGTS, como forma de pagamento para amortização das parcelas ou entrada como é possível na primeira opção.

O que são operações de financiamento?

A operação de um financiamento, nada mais é, que a compra à vista de um grande número de ações e a venda imediata no mercado a prazo. A diferença entre os dois preços é o retorno do investimento durante o período de financiamento. Visto que, no caso dos bancos e instituições, eles compram um carro, por exemplo, e faz o financiamento para um consumidor interessado, que irá pagar o valor do carro parcelado acrescido de juros, e são justamente essas juros o lucro dos bancos.

Cuidados ao solicitar um financiamento

Na hora de fazer um financiamento, é necessário saber a data de vencimento do parcelamento, pois além dos juros que incidem sobre o valor do financiamento, se você atrasar o pagamento do parcelamento, também incidirão juros. Portanto, é importante ter cuidado para não pagar juros. No entanto, se você deseja saldar parte de sua dívida antecipadamente ou saldar o saldo devedor total, pode reduzir parte dos juros cobrados.

O que é melhor fazer um consórcio ou financiamento?

Na verdade, a melhor opção depende do contratante, entenda: a principal vantagem do financiamento é, que você pode ter o bem em um curto espaço de tempo. Se você pode esperar mais, o consórcio é a melhor escolha. Se você escolher essa forma de pagamento e não quiser esperar muito, pode dar um lance ou até mesmo ser sorteado. Um ponto que merece destaque, é que o financiamento é feito com o pagamento acrescido de juros, enquanto o consórcio não.