Quem pode fazer um consórcio
Finanças

Quem pode fazer consórcio? Como ele funciona? Confira

O consórcio se trata de uma opção para pessoas que precisam comprar um determinado bem, mas não possui dinheiro para fazer o pagamento à vista e não podem financiar o valor no momento. No entanto, é necessário analisar os prós e os contras dessa abordagem para entender o significado dela com base nos momentos de sua vida. Para ajudá-lo nessa tarefa, mostramos neste artigo quais fatores você precisa considerar para tomar a melhor decisão.

Veja também:
Planejamento financeiro para freelancers: Veja dicas de como organizar
Orçamento Familiar: Dicas de como fazer a organização
O que é o empréstimo consignado? Quem pode fazer um?

O que é um consórcio e como funciona?

Uma aliança de pessoas com um objetivo comum: obter uma mercadoria. Todo mês, os membros têm que pagar, que é a economia comum de todos, e um dos participantes será contemplado com  uma carta de crédito. A carta de crédito é um documento financeiro com o valor equivalente ao bem contemplado pelo consórcio. Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o dinheiro não será depositado diretamente na conta do participante contemplado, e o gerente não irá comprar o produto e enviar para aquela pessoa. Resumindo, uma carta de crédito é um “voucher de compra” que pode ser repassado a qualquer pessoa que venda o bem que você deseja comprar.

As condições por completo do consórcio são apresentadas no contrato de participação. O documento deve conter as informações sobre os direitos e deveres das partes envolvidas, as regras, valores e a descrição do bem em questão. A empresa que constitui o consórcio denomina-se administradora, é regulamentada pela Lei nº 11.795 / 2008 e regulamentada pelo Banco Central.

O tipo de consórcio varia conforme os ativos que você quer comprar e quanto tem que pagar a cada mês. Você pode comprar imóveis, veículos e até mesmo eletrodomésticos e pacotes de viagens.

Mas como é o funcionamento do consócio?

Para obter bens ou serviços, existem três possibilidades, são elas:

  • Ser sorteado;
  • Vencer o leilão realizado pela administradora;
  • Terminar de pagar todas as parcelas.

De modo geral, a parcela possui 4 partes em sua formação, são elas:

  • Fundo comum: o pagamento mensal de cada participante em relação ao preço final do bem. Baseia-se no valor total do bem dividido pelo número de meses que consórcio irá durar;
  • Taxa de administração: valor que a administradora cobra para a gestão da do consócio.
  • Fundo de reserva: o valor criado para cobrir possíveis inadimplências e saques.
  • Seguro: benefícios concedidos aos herdeiros em caso de sinistro com consorciado.

Para entender melhor, veja este exemplo: José aderiu a um consórcio de automóveis no valor de R$ 50.000 com 5 anos (60 meses) de duração. Considerando somente o fundo comum, o cálculo de sua participação é o seguinte: R$ 50.000,00 / 60 meses = R$ 833,33.

Para chegar ao valor final é necessário somar as outras 3 taxas: de administração, reservas e seguros. Eles não estão considerados no exemplo acima porque seus valores variam segundo a administradora. É muito importante conferir o contrato antes de assiná-lo, para não se surpreender com esses números no futuro.

Vantagens e desvantagens de um consórcio

Vantagens

Uma das principais vantagens do consórcio é distribuir uma parte da receita todos os meses para atingir as metas que deseja, pois, algumas pessoas têm dificuldade para economizar dinheiro. Ao pagar em parcelas mensais, você terá mais chances de ser disciplinado e evitar despesas desnecessárias. Além disso, a taxa de juros do consórcio pode ser inferior à taxa de juros cobrada nos financiamentos.

Desvantagens

Se você não quer contar com a sorte, o melhor é fugir do consórcio. Como já dissemos, o destino deve estar ao seu lado para poder receber a mercadoria antes do contrato terminar – pode demorar muito mais do que imagina. Em outras palavras, você paga por algo que não tem e sempre fica torcendo na ansiedade esperando ser sorteado. Além disso, você ainda pode contar com leilões para dar sorte. Nesse caso, ninguém mais poderá ficar tão interessado quanto você e não poderá ter mais fundos que para antecipar o parcelamento.

Existe outro problema. Após ingressar no consórcio, caso ocorra alguma emergência e você precise sair, terá que pagar multa. Isso pode aumentar os gastos em seu orçamento financeiro. Por fim, porém, não menos importante, o preço final do consórcio pode ser mais alto do que você pode imaginar. Como certos tipos de consórcios estão vinculados a outros indicadores (por exemplo, Tabela Fipe e IPCA), o parcelamento é reajustado a cada ano. Ou seja, você não sabe quanto será o valor do parcelamento nos próximos anos.

O que é melhor fazer um consórcio ou financiamento?

Esta é uma decisão que cabe a cada um dos consumidores, ao analisar a sua situação atual, o que pretende alcançar e quando quer ter o seu bem, por exemplo. Os consumidores estão migrando dos financiamentos para os consórcios e fazendo planejamentos melhores. O consórcio é mais adequado para os consumidores que não possui poupança e, à medida que a crise se espalha, esse comportamento se torna cada vez mais comum.

A principal vantagem do financiamento é, que você pode ter o seu bem no curto prazo. Se você pode esperar mais tempo, um consórcio é a melhor escolha. Se você escolher essa forma de pagamento e não quiser esperar muito, pode dar um lance ou até mesmo ser contemplado em um sorteio.

Quem pode fazer consórcio?

As regras para participação em um consórcio são uma forma de garantir a segurança de todos os participantes, sendo necessário comprovar a capacidade e responsabilidade para cumprir as obrigações. Para ingressar no consórcio, é necessário ter no mínimo 18 anos, pois somente pessoas maiores de idade podem assinar o contrato. Qualquer pessoa com a idade mínima pode participar.

Uma questão levantada por muitas pessoas é sobre nomes sujos. Bem, é possível ingressar em um consórcio com um nome sujo. Porém, para que os integrantes do consórcio com essas condições sejam recompensados com a carta de crédito, é necessário que seus débitos sejam quitados, caso contrário, não receberão a contemplação do bem em questão.

Como funciona a contemplação de um consórcio?

Quando se trata de consórcios, um dos temas que mais desperta o interesse é a contemplação, que é a concessão de crédito aos consorciados para aquisição de bens ou contratos de prestação de serviços. O consórcio inclui duas modalidades de contemplação: sorteio e lance, ambas realizadas em assembleias gerais ordinárias de acionistas de acordo com as regras estipuladas em contrato e a disponibilidade de caixa fo grupo.

No sorteio, a contemplação acontece seguindo a natureza própria do consórcio, pois todos os membros ativos do consórcio (que estejam em dia com o pagamento de suas parcelas) competem em um sorteio com condições absolutamente iguais. Durante uma assembleia, não importa quantas parcelas tenham sido pagas, um ou mais participantes do grupo serão sorteados para receber sua carta de crédito no valor do plano que você aderiu. Portanto, os sorteios são utilizados apenas como definição da ordem de recebimento de crédito, pois todos os participantes do grupo receberão crédito até o prazo final do plano.

Por outro lado, o lance é o direito dos consorciados de competir pela contemplação por meio do parcelamento antecipado. Será contemplado o participante com maior lance, ou, dependendo da disponibilidade de caixa do grupo, será considerada a pessoa com maior lance. O contrato define os critérios de lances de desempates. Portanto, ao adquirir cotas de consórcio, é importante verificar com atenção as condições contratuais para participar da modalidade de contemplação através de lances.

Tipos de lance

  • Lance em espécie: são lances fornecidos com recursos próprios do consorciado. Neste caso, o participante contemplado receberá o crédito total correspondente ao valor dos bens ou serviços especificados no contrato. Este tipo de lance pode ser realizado em todos os tipos de consórcios;
  • Lance embutido: pode ser utilizado com parte do crédito do próprio consorciado, ou pode ser concedido aos consorciados associados ao grupo de imóveis residenciais com recursos do saldo da conta associada ao FGTS. E, nessa modalidade de lance, os consorciados ficarão com o crédito total correspondente ao valor dos bens ou serviços previstos no contrato deduzido do valor do lance oferecido.